Rafael Miguel, em Chiquititas, do SBT

Home » Televisão

Rafael Miguel, ator de Chiquititas, é assassinado junto com seus pais em São Paulo

O ator Rafael Miguel, conhecido nacionalmente pelo comercial “Mãe, compra brócolis” e a novela infantojuvenil do SBT, Chiquititas, foi assassinado a tiros no domingo (9), em São Paulo. No folhetim da emissora de Silvio Santos, o jovem interpretou o personagem Paçoca. Rafael também participou de Cama de Gato, da TV Globo, em 2009, interpretando o menino Juca.

De acordo com informações do jornalista Luiz Bacci, o rapaz de 22 anos foi assassinado pelo pai de sua namorada, Isabela, juntamente com os seus pais: João Alcisio Miguel, de 52 anos; e Miriam Selma Miguel, de 50 anos. Na publicação, o apresentador da Record TV, havia publicado que as informações eram preliminares e passadas pela polícia. O que mais tarde veio a se confirmar.

O crime teria sido motivado porque o sogro do ator, o comerciante Paulo Cupertino Matias, de 48 anos, não aceitava o relacionamento da filha. O homem foi descrito como possessivo e controlador pelos vizinhos.

Segundo o G1, o assassinato aconteceu na Estrada do Alvarenga, no bairro da Pedreira, na Zona Sul da capital paulista. O autor dos disparos fugiu.

O último dia de vida de Rafael Miguel

Também em uma rede social, a última publicação de Rafael Miguel foi algumas horas antes do assassinato. Ele exibiu uma imagem do jogo da seleção brasileira feminina de futebol, que confrontou a Jamaica na Copa do Mundo. Já na noite de domingo após o crime, Isabela postou uma foto com fundo preto com a frase: “Estou bem, dentro do possível”.

Através do personagem Juca, em Cama de Gato, o jovem ator trabalhou ao lado de Heloísa Périssé e Marcello Novaes, que interpretavam seus pais. Já na novela infantil da emissora de Silvio Santos, Rafael dividiu cenas com nomes como Gabriel Santana e Filipe Cavalcante, que já prestou uma homenagem ao amigo. “Vai em paz, meu irmão… vai fazer muita falta aqui”, escreveu Cavalcante em seu perfil no Instagram.

Fonte: Observatório da Televisão

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Ver também