Silvia Poppovic e Luís Ernesto Lacombe

Home » Televisão

Mesmo recorrendo, Justiça mantém alta classificação indicativa do Aqui na Band

Através de despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU), O Ministério da Justiça não aceitou o argumento da Band e manteve a classificação indicativa dada pelo Governo para o programa Aqui na Band, da emissora do Morumbi. A atração matutina é apresentada Silvia Poppovic e Luís Ernesto Lacombe. O programa seguirá com o selo “não recomendado para menores de 12 anos”.

A Band recorreu da primeira decisão da Justiça, e como consta no documento, a emissora solicitou o selo “não recomendado para menores de 10 anos”, dizendo que iria se comprometer e adaptar o conteúdo do programa ao selo.

Entretanto, o Departamento de Promoção de Políticas de Justiça (DPJUS) fez uma nova avaliação do conteúdo da atração e não encontrou alterações no conteúdo do programa levado ao ar.

Já a Justiça afirmou ter encontrado conteúdos que confirmam a sua decisão de manter a classificação indicativa de 12 anos. Dentre eles, estão “Descrição de violência (12 anos), Exposição de cadáver (12 anos) e Descrição do consumo ou tráfico de droga ilícita (14 anos)”.

Além disso, a Justiça declarou que os dois primeiros foram agravados por terem sido mostrados com o envolvimento de crianças e adolescentes.

Por este motivo, a Justiça decidiu manter o selo +12 da atração de Lacombe e Poppovic. O Ministério deu até 20 horas para a Band exibir o novo selo após o despacho oficial. Procurada pelo portal Observatório da Televisão, a emissora não quis se manifestar quanto à decisão da classificação indicativa do seu programa matinal.

O Aqui na Band foi reclassificado pela Justiça, conforme apurou o portal Observatório da Televisão, por conta de reportagens envolvendo o jogador Neymar, acusado recentemente de estupro, e uma apresentação de Jojo Todynho.

Assim que ficou sabendo a reclassificação, a equipe do Aqui na Band se revoltou com o caso e considerou como censura da Justiça. A Band pode tentar recorrer da nova decisão do Ministério da Justiça.

Fonte: Observatório da Televisão

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Ver também