Miss Brasil

Home » Televisão

Após prejuízo e baixa audiência, Band desiste de concurso de misses em 2020

Na tarde desta quinta-feira (18), a Band anunciou que não exibirá e nem co-produzir os concursos de misses a partir de 2020. No comunicado, o canal do Morumbi diz que deixará o negócio depois de oito anos. Desde 2014, o Miss São Paulo e o Miss Brasil eram co-produzidos junto com a empresa Polishop, que usava a marca Be Emotion no evento.

De acordo com o portal Observatório da Televisão, a decisão já vinha sendo avaliada pela emissora desde 2018. Os concursos de misses não tem o mesmo prestígio de antes, não conseguindo atrair anunciantes e o público. Os resultados pífios obtidos na edição de 2019 foram determinantes para o cancelamento da atração.

Neste ano, a Band vendeu apenas uma cota master de patrocínio do concurso. Além disso, a audiência do concurso foi baixíssima. Em São Paulo, a média foi de 1,8 ponto na audiência. É o menor resultado da história dos concursos de misses na TV brasileira. Na média nacional, o índice do evento também deixou a desejar.

Contando as 15 maiores praças do Brasil, o Miss Brasil 2019 marcou apenas 2,0 pontos de audiência. Sem dar resultados de audiência e tendo um prejuízo considerado milionário, na casa dos R$ 3,5 milhões, a Band decidiu não se envolver mais com o concurso.

Além do fim do Miss SP e Miss Brasil, terminam também os misses estaduais, que já vinham sendo realizados com estrutura bem inferior aos anos anteriores.

Recentemente, o Miss Rio Grande do Sul, um dos mais valorizados do Brasil, chegou a ser realizado dentro de um programa local na Band Rio Grande do Sul por não ter verba para a realização do concurso.

Mesmo já esperado, o meio de concursos de misses estão vivendo um momento de pânico. Não existe confirmação de nenhuma franquia ou empresa que queira investir no universo. E o fim da realização do Miss Brasil implica ainda mais na falta de interesse de anunciantes em investir em outros concursos de beleza pelo Brasil.

Contudo, recentemente, o apresentador Silvio Santos brincou em seu programa sobre a possibilidade de retornar a fazer os concursos de misses. Silvio foi responsável pela apresentação e produção do evento entre os anos 70 e 80. Na ocasião, o SBT disse que era apenas uma brincadeira do comunicador.

Recentemente, Silvio Santos também quis contratar Júlia Horta, a atual Miss Brasil, para atuar em seus telejornais. Por compromissos comerciais com o Miss Brasil, Júlia não pôde aceitar. O fato é que os concursos de misses nunca estiveram tão perto de acabar como agora.

“Após oito anos realizando e exibindo os concursos Miss São Paulo e Miss Brasil, cinco dos quais ocorreram por meio de uma sólida parceria com a Polishop, a Band comunica que não houve renovação do contrato, o qual termina este ano. Por essa razão, a Band não realizará a temporada 2020 e, por consequência, não exibirá seus famosos concursos de beleza.

Durante os últimos cinco anos, a Polishop, por meio de sua marca Be Emotion, foi a grande parceira da Band na realização dos concursos. Trouxe, com sua grande expertise, uma nova roupagem para os concursos de beleza, tornando-os mais próximos das mulheres modernas. 

Frente à decisão de não renovar o contrato, a Band e a Polishop/Be Emotion deixam de ter qualquer responsabilidade acerca da realização dos concursos estaduais ou nacional que tenham relação com a cadeia de concursos Miss Universo 2020. Tanto a Band, que continua detentora das marcas estaduais, quanto a Polishop, não detêm qualquer responsabilidade de realização ou de apoio aos concursos estaduais relativos à temporada 2020, mesmo que aconteçam durante o ano de 2019.

Não obstante, nossa recém recém-eleita Miss Brasil Be Emotion 2019 segue sua trajetória de preparação para, ao final de 2019, representar belamente o Brasil no Miss Universo 2019, fechando assim o ciclo de concursos da franquia Miss Universo nas telas da Band e sob a parceria com a Polishop/Be Emotion.

A Rede Bandeirantes de Comunicação agradece a sólida parceria Polishop/Be Emotion ao longo dos últimos cinco anos”.

Fonte: Observatório da Televisão

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Ver também