Home » Novelas

Saiba o final de Roni em Avenida Brasil

Em Avenida Brasil, da TV Globo, Roni, interpretado pelo ator Daniel Rocha, apareceu como um rapaz simples, até tímido em busca de seu lugar ao sol no futebol. Jogador do Divino, o sonho era ser contratado por um grande time e poder faturar alto no esporte.

Mas o que chamou a atenção mesmo na história de Roni foi o interesse amoroso dele em Leandro, interpretado pelo ator Thiago Martins. Sutilmente, o rapaz mostrou desejo pelo amigo e todo mundo – no caso, os fãs fervorosos – já especulou que haveria um romance gay na trama. No entanto, ninguém contava com a interrupção de Suelen, da atriz Isis Valverde.

A piriguete e maria-chuteira se envolveu com ambos, mexendo com as convicções, principalmente de Roni. O rapaz passou a cortejar a bela morena, que chamou a atenção por onde passou. Ela ficou um bom tempo sem definir com quem ficaria, até porque queria fechar um bom “negócio”.

Quando Leandro foi contratado pelo Flamengo, ela se juntou a ele para usufruir de todas as benesses que um contrato com o rubro-negro pode oferecer, inclusive fama. Mas tudo dá errado quando atleta resolve bater em Wallerson, interpretado pelo ator Gabriel Chadan, em pleno jogo. O motivo? Suelen, que esteve de pegação com ele e foi flagrada, se tornando assunto em toda a mídia.

Leandro é expulso do time mais popular do país por causa disso e decide recomeçar sua vida em outra parte. Mas a própria Suelen acaba arrependida e, junto com Roni, acaba convencendo o jogador – mesmo sem futuro – a ficar no Rio de Janeiro.

Com isso, os três optam por um relacionamento aberto, um feliz para sempre ‘trisal’. Apesar disso, o público não vê Roni e Leandro se beijando ou com qualquer intimidade amorosa. Quem esperava um casal gay acabou frustrado. Na época, o autor João Emanuel Carneiro foi apontado – por fãs da novela, nas redes sociais – de promover a chamada e inexistente ‘cura gay’.

Avenida Brasil é exibida de segunda a sexta, às 17h20, pela TV Globo.

Fonte: Observatório da Televisão

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Ver também