Rose Miriam, viúva de Gugu Liberato

Home » Famosos

Companheira de Gugu vai acionar justiça para ser reconhecida como herdeira

Rose Miriam, companheira do apresentador Gugu Liberato, concedeu uma entrevista para coluna de Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, comentando sobre a herança do ex-companheiro. Em uma declaração, feita ao jornal, Rose afirmou que irá entrar na justiça para ser reconhecida como herdeira.

Segundo Rose, ela quer o reconhecimento da sua união estável com Gugu: “Qualquer mulher no meu lugar faria isso. Está parecendo que é uma briga. Mas não é. Eu tenho todo o direito de me colocar no meu lugar — infelizmente, na condição de viúva. A própria família dele estava cansada de nos ver juntos, há 19 anos. Eu chamava ele de anjo. Nunca tive outro homem a não ser ele. Há pessoas que não querem aceitar a minha união estável com Gugu. Nós sempre fomos uma família. Marido e mulher, mãe e pai de três filhos. Só isso. É tão óbvio. Tenho inúmeras provas disso. Fotografias em casa, em viagens. Roupas dele em casa [em Orlando, nos EUA].”

Apesar de viverem em casas separadas, a viúva do apresentador afirmou que eles sempre foram uma família: “O Gugu sempre morou na Aldeia [da Serra, em SP], na casa dele. E eu na minha [em Alphaville]. Mas nós sempre fomos uma família. A gente sempre se amou. Sempre fomos pai e mãe dos mesmos filhos, íntimos um do outro. O fato de ele morar em uma casa e eu na outra não significa nada, mesmo porque o Gugu gostava de silêncio, entendeu? E ele continuava a vida dele, no escritório dele, na casa dele, no cantinho dele.”

“O Gugu morreu na nossa casa. As crianças estão muito abaladas porque eles viram o pai morrendo no chão. Foi trágico. Ele faleceu nos meus braços praticamente”, disse ela, que é mãe dos três filhos do apresentador que faleceu em novembro. Por fim, Rose afirmou: “Já está tudo no nome dos filhos. Como o Gugu queria. Não quero nada para mim. É tudo deles. Eu só vou viver de usufruto para poder me manter.”

Fonte: Observatório dos Famosos

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Ver também